Escola Koru

Empreendedorismo Social: o que é e quais são as suas características?

O que é empreendedorismo social?

Empreendedorismo social é uma abordagem de negócios que busca solucionar problemas sociais ou ambientais ao mesmo tempo em que gera lucro. Nessa modalidade, não se busca apenas o sucesso financeiro, mas também o sucesso em termos de impacto social positivo.

O empreendedorismo social tem o potencial de transformar a economia, ao criar novos modelos de negócios que geram valor social e ambiental, além de lucro financeiro. Além disso, as soluções criadas pelos empreendedores sociais podem ajudar a resolver problemas urgentes, como a pobreza, o acesso à educação e à saúde, entre outros. (5coisas.org)

Outra definição:

O empreendedorismo social floresce quando existe um ecossistema de políticas holísticas – um quadro regulamentar adequado, meios para garantir um melhor acesso ao mercado e ao financiamento e oportunidades para o desenvolvimento de competências, nomeadamente através de estruturas de apoio às empresas. (OECD)

Com que objetivo?

O objetivo do empreendedorismo social é utilizar a criatividade e a inovação para transformar o mundo através de soluções sustentáveis ​​e viáveis ​​para questões como pobreza, acesso à saúde, educação, preservação ambiental, entre outros. 

O termo “empreendedor social” foi cunhado pelo Nobel da Paz Muhammad Yunus, conhecido como “banqueiro dos pobres”, após fundar o Grameen Bank, em Bangladesh. Ele fez escola ao conceder microcrédito a mulheres pobres. (Forbes)

Empreendedorismo social se diferencia do empreendedorismo tradicional uma vez que este segundo visa, principalmente, ao lucro financeiro.

Vamos partir da explicação sobre quem é o empreendedor social: um indivíduo que utiliza técnicas de negócios para criar soluções inovadoras e pensativas para problemas sociais. 

O empreendedorismo social pode ter impactos positivos em diversas áreas, como a redução da desigualdade social, o acesso à educação e à saúde, a preservação do meio ambiente, entre outros. Além disso, as soluções criadas pelos empreendedores sociais podem ser replicadas e adaptadas em outras regiões, gerando um impacto ainda maior. (5coisas.org)

Algumas das principais características desse tipo de empreendedorismo incluem:

Objetivo social: o principal objetivo do empreendedorismo social é criar impacto social positivo através do negócio.

Sustentabilidade financeira: o empreendedorismo social não busca apenas criar soluções para problemas sociais, mas também garantir a sustentabilidade financeira do negócio.

Inovação: o empreendedorismo social é baseado em soluções criativas e inovadoras para problemas sociais.

Parcerias: profissionais frequentemente trabalham em parceria com outras organizações para maximizar o impacto de suas soluções.

Medição de impacto: empreendedores sociais frequentemente medem o impacto de suas soluções por meio de indicadores sociais e ambientais.

Exemplos de Empreendedorismo Social

Existem muitos exemplos de empreendedorismo social em todo o mundo. 

Os exemplos de empreendedorismo social demonstram como é possível criar soluções inovadoras e sustentáveis para problemas sociais e ambientais. Além disso, essas iniciativas podem gerar empregos e renda para as comunidades envolvidas. (5coisas.org)

Ao pesquisar a respeito em mecanismos de busca, para não citar todos, pela grande quantidade, alguns deles incluem empresas e pessoas físicas:

  • Domitila Barros, ex-BBB 2023, foi eleita Miss Alemanha em 2022, a primeira imigrante e mulher negra a vencer o concurso; ela vem da periferia de Recife, é mestre em Ciências Políticas e Sociais e dona de uma marca de biojoias – She is from the Jungle – o dinheiro da grife é destinado em parte para ajudar sua família, e reinvestido na empresa, contribuindo para a liberdade financeira das mulheres de sua comunidade. Domitila luta pela natureza e igualdade social. Aos 15, recebeu o prêmio internacional “Sonhadores do Milênio”, da Unesco em parceria com a Disney, e palestrou em Orlando. “Foi aí que eu entendi que o trabalho que eu fazia na comunidade de Linha do Tiro era tão importante”, diz a empreendedora social.
  • Tatiana Monteiro de Barros, empresária e empreendedora do terceiro setor, diz: “Sucesso é uma rede de pessoas lutando juntas” – À frente do Movimento União BR, cria, desenvolve e implanta campanhas e iniciativas de ação social e auxílio para quem precisa, num ritmo de urgência permanente.
  • Adriana Mallet, médica, empreendedora, CEO e cofundadora da SAS Brasil, Ong que leva atendimento de saúde gratuito para regiões sem acesso no país. Empreendedora brasileira premiada no Fórum Econômico em Davos, na Suíça, eleita empreendedora social entre os cinco brasileiros que venceram a edição nacional da premiação em 2021, e a única mulher a integrar o grupo de empreendedores sociais na edição mundial, sendo premiada entre os 15 inovadores sociais do ano, em 2022. 
  • Adriana Barbosa, idealizadora do evento Feira Preta – o maior evento de cultura e empreendedorismo negro da América Latina – e CEO da PretaHub, foi convidada a Davos para falar sobre economia, comunidade e equidade, para os painéis “Movendo-se como um coletivo” e “Liderança em Inovação Social em Equidade Racial” no Fórum Econômico Mundial. Em 2020, recebeu o Prêmio Empreendedor Social, pelo impacto social de suas ações.
  • Celina Locks equilibra gestão de negócios e da Fundação Fenômenos. Ao lado do marido (o ex-jogador da seleção brasileira Ronaldo Nazário), a empreendedora cuida de sua marca de beleza enquanto preside a Fundação Fenômenos, que impacta 18 mil pessoas, motivando o empreendedorismo no terceiro setor.
  • Anne Wilians, Presidente do Instituto Nelson Wilians e fundadora do projeto Justiceiras, fala sobre empreendedorismo social, direito da mulher, maternidade, diversidade e tudo o mais que perpassa a sua vida. 
  • TOMS, uma empresa de calçados que doa um par de sapatos para uma criança carente a cada par de sapatos vendidos.
  • Warby Parker: empresa de óculos que faz um par de óculos para uma pessoa que cuida de cada par vendido.
  • Grameen Bank, fundado pelo economista Muhammad Yunus, que oferece microcrédito para pessoas pobres em Bangladesh. O banco já emprestou mais de US$ 10 bilhões e ajudou milhões de pessoas a sair da pobreza.
  • Eureciclo, empresa brasileira que criou um sistema de logística reversa para reciclar embalagens de plástico. 
  • ONG Teto, que constrói casas para famílias em situação de vulnerabilidade social na América Latina.

Os principais desafios enfrentados pelos empreendedores sociais incluem a falta de financiamento, a falta de apoio institucional e a resistência das pessoas à mudança. […] Os benefícios do empreendedorismo social para a sociedade incluem a melhoria da qualidade de vida das pessoas, a redução da desigualdade social e a promoção do desenvolvimento sustentável.
[…] As empresas podem desempenhar um papel importante na promoção do empreendedorismo social por meio do investimento em negócios sociais, da criação de parcerias com empreendedores sociais e da adoção de práticas sustentáveis em suas operações.
[…] Os governos podem apoiar o empreendedorismo social por meio de políticas públicas que incentivem a criação de negócios sociais, como linhas de crédito com juros baixos e programas de capacitação. […] (5coisas.org)

Conclusão…

O empreendedorismo social é uma abordagem de negócios que busca solucionar problemas sociais ou ambientais ao mesmo tempo em que gera lucro.  Baseia-se em soluções criativas e inovadoras para problemas sociais, e é caracterizado por seu objetivo social, sustentabilidade financeira, parcerias, inovação e medição de impacto. 

Nesta lista de empreendedores sociais, não dá pra não mencionar a Korú e o seu propósito social. 

Com sua capacidade de gerar mudanças significativas, o empreendedorismo social é uma ferramenta poderosa para transformar o mundo. E neste sentido, a Korú tem inspirado mudanças na sociedade e no mercado de trabalho, com mais diversidade e inclusão, com uma educação de qualidade e sem barreiras e oportunidades para todos e todas. 

Fundada em 2022, a Korú é uma startup é uma aceleradora de oportunidades e carreiras que acredita que o futuro de uma sociedade sustentável está na integração das minorias em sala de aula e nas empresas. Como diz o seu CEO Daniel Spolaor:

“Quanto mais empresas se associam à Korú, mais bolsas e oportunidades podemos oferecer às pessoas. O crescimento da Korú também é o crescimento de uma sociedade melhor e mais inclusiva e em pouco tempo de atuação já temos visto uma transformação real, em que as pessoas que mais precisam contam com educação de qualidade, as organizações têm mão de obra qualificada e todo esse ecossistema muda com acesso de pessoas que antes eram marginalizadas.  O futuro de uma sociedade sustentável está na integração das minorias em sala de aula e nas empresas.”

Fale com a Korú e saiba mais!

Post Relacionados

O que é desenvolvimento de software

Desenvolvimento de software pode parecer um mistério indecifrável para alguns, mas a verdade é que não precisa ser um bicho de sete cabeças.  Na verdade,

Leia Mais

Estamos quase lá!

Estamos quase lá!

Estamos quase lá!

Estamos quase lá!