Escola Koru

AI AI AI… E a Inteligência Artificial?

Inteligência artificial virou tema obrigatório em onze de cada dez artigos corporativos e não deveríamos estranhar, uma vez que é uma tecnologia que desperta uma miscelânea de sentimentos humanos simultaneamente, como espanto, encantamento, medo, apreensão, ansiedade e esperança, só pra citar alguns.

É engraçado que a explosão foi repentina. Consigo imaginar um conselho secreto de especialistas e empresas do tema se reunindo em galpões escondidos combinando sobre como eles iriam surpreender o mundo. 

Alguém se antecipou, lançou antes seu software e, de repente, o ChatGPT alcançou o primeiro milhão de usuários em cinco dias. Recorde mundial. 

Estima-se que o mercado de aplicações lançadas até 2024 vai representar ~4x o tamanho do mercado de 2021.

Vamos então aos sentimentos que mencionei e como eu me encontro em relação a eles:

Espanto: o ChatGPT (e outras aplicações) trazem respostas e automatizam processos que levavam DIAAAAAAS. Por vezes, é inacreditável pensar na minha relação com os PowerPoints e com as planilhas de Excel há 3 ou 4 meses. Não são três ou quatro ANOS, e sim Três ou quatro MESES.

Encantamento: as coisas que essas aplicações fazem são absolutamente deslumbrantes! Geramos outro dia um guia para alunos na Korú usando apps de design e que se parece com interface dos melhores videogames que existem. 

Eu fiquei ENLOUQUECIDO quando vi. Isto abre um mundo de possibilidades que antes eram inalcançáveis para nós e para quase qualquer empresa.

Medo: 60% dos trabalhos no mundo serão afetados. As pessoas e as organizações estão preparados? Nossos modelos de aprendizagem vão suportar essa demanda? 

Será que vamos preservar os empregos? Alguém tem algum plano? Parece-me que não, exceto para a Korú, que está pronta para receber essa turma toda e já conta com AI nas suas ementas… Olha aí: https://escolakoru.com.br/ 

Blog com propaganda pode, né? 

Apreensão: ninguém tem muita segurança ainda de que estes algoritmos não vão se enviesar. Não sabemos se eles serão influenciados por informações e dados incorretos. Governos avançam mais lentamente que as inovações e pouco se sabe como reagirão e regularão estes processos. Esta semana mesmo, Sam Altman, o CEO da OpenAI (https://openai.com/), criadora do ChatGPT, disse em entrevista que precisamos avançar em regulação e controle. 

Ansiedade: Como ajustamos nossos negócios e organizações? Por onde é melhor começar? Como eu aprendo a usar? 

AI é de comer ou passar no cabelo? O que aprendi até agora é que as pessoas são maravilhosamente adaptáveis e consigo citar, só para usar a Korú de exemplo, três processos supercríticos que já estão com AI embarcada por aqui. 

Design de materiais, construção de estudos de caso e conteúdos e modelo de avaliação de alunos. Queria usar muito mais… 

Esperança: deixei este por último porque acredito piamente em duas coisas. A primeira é que as pessoas são essencialmente adaptáveis e vão encontrar a melhor forma de usar toda esta potência à sua disposição para tornar nossa vida mais leve e o planeta num lugar melhor e mais HUMANO. 

Vamos curar doenças mais rápido, restaurar o meio ambiente, trazer leveza e criatividade para nosso dia a dia. E a segunda coisa é que acho que a inteligência artificial (e o que mais vier daí) vai transformar o Brasil. 

Sigo acreditando que nosso país vai ser mais justo e inclusivo porque estamos construindo aqui um dos ecossistemas de inovação mais vibrantes do planeta e isto só vai trazer coisas boas!

Por hoje é só, pessoal.

Post Relacionados

O que é desenvolvimento de software

Desenvolvimento de software pode parecer um mistério indecifrável para alguns, mas a verdade é que não precisa ser um bicho de sete cabeças.  Na verdade,

Leia Mais

Estamos quase lá!

Estamos quase lá!

Estamos quase lá!

Estamos quase lá!