Escola Koru

Recrutamento: como atrair e recrutar talentos diversos

Como atrair e recrutar talentos diversos

Atrair e recrutar talentos não é uma das tarefas mais fáceis, principalmente quando a empresa não dá subsídios para que o pessoal de recrutamento possa desenvolver bem as suas atividades. Ok, pode não ser este o seu caso!

Falamos dessa questão porque em pleno século XXI, ainda há quem prega que é só publicar a vaga, receber currículo, analisar, ver o que bate com a descrição recebida, selecionar, fazer uns testes, uma entrevista e pronto. Vemos aqui, com muita frequência, concretizar o ditado popular do barato que sai caro.

Há também aquelas empresas que não têm uma cultura de inclusão, mal se dispõem a conhecer as competências das pessoas e dispensam potenciais competências de primeira, simplesmente seguindo seus vieses inconscientes ou conscientes, o que é lamentável! Empresas perdem e muito com isso. 

Muitos ainda desconhecem a importância de uma cultura plural e não têm a menor visão de futuro, tão pouco do presente e permanecem agindo assim, contra uma realidade cada vez mais presente no universo corporativo, mesmo que a passos lentos, porém contínuos.

Vamos falar de talentos, para começar.

Talentos são atraídos por uma forte cultura organizacional

Diante de um mercado extremamente competitivo, é isso que “desperta” o interesse de fazer parte, quero dizer que o senso de pertencimento começa na atração promovida por uma forte cultura organizacional.

Ocorre que atrair não tem apenas o processo de recrutar e selecionar. Atrair talentos é um processo que começa pelo que a empresa representa, o que ela valoriza, o que ela acredita e o que ela oferece – a sua cultura.

Podemos, então, dizer que a qualidade dos colaboradores está diretamente ligada à qualidade da empresa e sua cultura. Empresas e negócios são movidos por pessoas e as exigências quanto ao perfil, são mútuas.

Óbvio que o RH da empresa deve ser ágil, atuante, ter uma infraestrutura técnica, física e tecnológica moderna para fazer e trazer o que há de melhor para a empresa. Deve ser participativo, oferecer treinamentos, interessar-se pelas pessoas de todas as formas disponíveis e contar com um investimento financeiro nesse sentido. 

Uma empresa atrativa facilita muito esse trabalho, tem consciência de sua credibilidade, sabe o que quer e principalmente o que não quer, pois quando abre suas vagas aos talentos disponíveis no mercado de trabalho, já dá início ao processo que trará os melhores para compor suas equipes de alta performance.

Empresas atrativas têm uma cultura inclusiva!

Cultura organizacional inclusiva

É importante falar sobre diversidade, igualdade, equidade, e inclusão. Mais do que palavras, são práticas que não devem ficar fora da política da empresa atrativa, de sua cultura organizacional, dos trabalhos internos de desenvolvimento de pessoas, formação de equipes de alta performance, lideranças entre outros itens. 

A representatividade envolve a alta gestão e as lideranças, e aqueles que elaboram as normas, os planos de ação, os treinamentos; os colaboradores e colaboradoras; envolve a empresa como um todo – do topo à base -, para que haja um uníssono não a qualquer tipo de discriminação.

O RH deve ser mais ágil e mais humano. A equipe de RH deve ser totalmente isenta de vieses inconscientes (e conscientes), uma vez que cabe a esta fomentar a saúde da organização, cuidar do clima organizacional, do bem-estar das pessoas, do desenvolvimento, engajamento e retenção das pessoas, em paralelo ao trabalho das lideranças.

Todos precisam aprender, compreender e apreender que, de maneira bem prática, essa cultura assim se compõe: 

  • Diversidade: enfatiza a aceitação do que é diferente, heterogêneo, está ligada à ideia de equilíbrio; constrói ambientes plurais, em que há espaço para todos e todas, para os mais diversos perfis profissionais e suas competências e desenvolvimento de habilidades.

    Numa equipe diversa temos similaridade quanto ao número de homens e mulheres, temos pessoas de todas as gerações (diversidade geracional), LBTQIA+; pessoas com deficiência, de pele negra, branca, amarela, multicolorida; gordos, magros, altos, baixos e todo o diverso encontrado na sociedade. Não importam os detalhes, importam as competências das pessoas e sua essência – o ser.
  • Igualdade: oferece o mesmo tratamento e oportunidade a todos, sem qualquer tipo de distinção; baseia-se no princípio da universalidade: a todos cabem as mesmas regras, os mesmos direitos e deveres; fomenta o não à discriminação entre as pessoas.
  • Equidade: garante que todos sejam tratados com justiça, imparcialidade, com zero vulnerabilidades que possam causar diferenças. Baseia-se no princípio de que não somos todos iguais e que esse “desequilíbrio” precisa ser resolvido e ajustado, reforçando a igualdade por meio de ações afirmativas (vagas afirmativas, por exemplo), de modo a não haver exclusão social. 
  • Inclusão: potencializa a convivência com as diferenças, independentemente de crenças, costumes e culturas e outras diferenças – o respeito está acima de tudo; baseia-se na consciência da necessidade de uma mudança de mentalidade, da adoção de um comportamento com base na cultura dos direitos humanos. 

Como atrair e recrutar talentos diversos

Talentos competem pelos melhores empregos, que ofereçam uma visão de crescimento e de futuro; e as empresas pelos melhores talentos, suas competências, habilidades, atitudes e entregas.

A partir de uma cultura interna inclusiva, de uma empresa atrativa, em que absolutamente todos estejam na mesma sintonia, levando adiante uma empresa que cuida da sua saúde organizacional, da sua imagem (não só da imagem, mas também do que exerce, de fato), há respeito, responsabilidade e crescimento mútuo.

Considerando-se também que o pessoal de recursos humanos tenha todo o aparato necessário para suas atividades – pessoas com as habilidades técnicas e comportamentais essenciais, tecnologia de ponta para recrutamento e outras ferramentas para esse fim, começa a atração, que é uma das etapas mais importantes do recrutamento/seleção.

Esse processo é um desafio que requer planejamento com ações objetivas e assertivas, o que pode representar uma grande vantagem competitiva se o desenrolar cumprir o que tiver prometido, não bastando um bom trabalho pontual, tem que ser contínuo.

Empresas que apostam na diversidade são reconhecidas

Você já parou para pensar no quanto a sua empresa é inclusiva e se ela é reconhecida?

O que é necessário para atração, recrutamento e retenção de talentos diversos?

O processo de atração e recrutamento inclui formar (desenvolver) e manter talentos (retenção). E  entre a atração e a retenção, temos os seguintes passos:

  • Transmitir credibilidade: a empresa que cuida de sua marca e oferece o melhor aos seus colaboradores, tem aí vantagens competitivas pela sua forte presença no mercado. A imagem interna e externa da empresa deve ser verdadeira e conta muito nesse sentido (da credibilidade). Os valores corporativos devem ser motivos de orgulho e de pertencimento. A empresa deve ser digna de confiança – na mesma medida que quer e busca talentos dignos de confiança.
  • Ser uma empresa inclusiva: como mencionado, é importante que todos saibam claramente o que é uma cultura inclusiva. É fundamental pensar na atração de talentos, de competências, de profissionais que a empresa necessita e não escolher segundo os vieses, segundo opiniões próprias, preconceitos, preferências ou algo que o valha. Alinhando-se, assim, a empresa, os talentos e seus valores e objetivos mútuos. Tem muito a ver com o ser digno de confiança.
  • Oferecer um pacote de benefícios atrativo: não basta uma remuneração atrativa, é sabido que um plano de benefícios gera maior satisfação, e primar pela qualidade de vida dos colaboradores(as) e seus dependentes tem mais valor, atualmente.
  • Oferecer um plano de desenvolvimento profissional e um plano de carreira: capacitar as pessoas é também garantir melhor produtividade, pertencimento e retenção, somando-se a essa formação de talentos todos os demais itens que compõem a atratividade da marca, da empresa. Com metas e objetivos delineados, evidenciam-se responsabilidades, competências e oportunidades de crescimento.
  • Motivação, engajamento e retenção: pessoas motivadas e engajadas dão o seu melhor, querem crescer, prosperar, ter progressão de carreira, oferecem alta produtividade, entregam mais e permanecem porque desejam ficar, pelo senso pertencimento e pela confiança que têm na empresa, nos seus líderes e em seus pares.
  • Transparência e feedback: é imprescindível ao crescimento profissional que todos sejam tratados com transparência e recebam feedback de sua performance – tanto dos pontos positivos quanto dos negativos ou a melhorar, exatamente por isso, para possibilitar o aprimoramento contínuo. 

Concluindo…

O ponto inspirador de um processo de atração, recrutamento e seleção de talentos diversos está na possibilidade de se posicionar com destaque no mercado devido ao melhor posicionamento interno, pela diminuição do turn-over e pelo aumento da capacidade interna de inovar, criar, fazer e acontecer – o potencial de realização. 

As empresas com visão de futuro projetam-se já no presente e seu maior valor é o capital humano/intelectual. Investir em um capital diverso é investir na própria empresa, uma vez que, como mencionado inicialmente, a empresa é feita de pessoas e suas competências, não de aparências e achismos.

As pessoas estão por trás de todos os negócios internos e externos, contratando, conduzindo, produzindo, vendendo, comprando, representando a empresa, entre outros feitos. Acolher diferentes talentos e estimular competências plurais é a melhor forma de empoderamento e sororidade.

Investir em diversidade vai além de abrir uma vaga e contratar, requer uma transformação cultural com conscientização, efetivamente em todos os níveis, como explicado. 

A Organização Internacional do Trabalho relatou que altos índices de diversidade e inclusão estão vinculados à alta produtividade, inovação e bem-estar da força de trabalho. 

Por esta razão, Diversidade e inclusão são assuntos muito discutidos em todo o mundo. É muito sensível, pois trata-se de pessoas com todas as suas particularidades, experiências e competências. 

Disso a Korú entende bem, é o seu porquê de oferecer consultoria gratuita em diversidade e inclusão para empresas. 

A Escola declara que “está a par de todo esse contexto global que acomete as pessoas socialmente excluídas, negadas, tratadas como minoria. E apesar dos avanços já obtidos, ainda falta muito do que precisa mudar para que haja uma sociedade igualitária e justa.”

Entre em contato com nossos especialistas, vamos bater um papo sobre como você e sua empresa podem atrair e recrutar talentos diversos.

Post Relacionados

O que é desenvolvimento de software

Desenvolvimento de software pode parecer um mistério indecifrável para alguns, mas a verdade é que não precisa ser um bicho de sete cabeças.  Na verdade,

Leia Mais

Estamos quase lá!

Estamos quase lá!

Estamos quase lá!

Estamos quase lá!